Dr Geraldo Franco conduz as investigações | Foto Sidney Trovão
A Delegacia de Investigações Gerais de Botucatu deve encaminhar para o Ministério Publico e ao CADE – Conselho Administrativo de Defesa Econômica – até o final de abril, relatório da investigação que vem sendo conduzido há cerca de cinco ano, para identificar ou não a existência de cartel envolvendo os postos de combustíveis da cidade, que tem valores considerados entre os mais altos no Estado de São Paulo, com diferenças de centavos.
Conforme adiantou o delegado Geraldo Franco que conduz as investigações, são 15 volumes de depoimentos e provas como notas fiscais de compra nas distribuidoras entre outros documentos, totalizando mais de duas mil páginas.
A DIG verificou documentos referente a empresas que fazem o próprio transporte e outras que contratam empresas para o transporte dos produtos, quantidade de funcionários, tipos de serviços oferecidos, para estabelecer os valores e comprovar os preços praticados a partir das notas fiscais anexadas e outros documentos.
“Não existe motivo do preço do combustível em Botucatu ter o preço que tem. Ouvimos os proprietários das empresas, que estiveram na delegacia acompanhados de seus advogados; foram feitas oitivas, reunimos documentos que foram analisados pela nossa equipe”, destacou.
Segundo o delegado, embora exista a convicção de cartel, não houve nenhum proprietário de posto de combustível que informasse a existência de encontros e telefonemas de lideranças do setor, para estabelecer valores, mas a DIG está cruzando informações com base em documentos que ainda estão sendo periciados e que a Policia Civil não tornou público.
“Não vou adiantar para não atrapalhar as investigações em andamento, mas os indícios que recolhemos são fortes e é provável que a magistratura vai compreender pela existência de cartel. Temos cinco anos de notas fiscais de mais de 30 postos na cidade. O alinhamento de preços é um indicio mas não é a única forma de comprovarmos a existência de cartel”, afirmou Geraldo Franco.
Apesar de não ter revelado detalhes sobre as provas de cartelização em mãos, o delegado reevelou que foi descoberto fraudes documentais que serão apresentadas à Receita Federal e à Secretaria Estadual da Fazenda para que tais instituições façam procedimentos referentes aos problemas encontrados.
O delegado também destacou que o combustível comercializado em Botucatu não é ‘batizado’ ou recebe qualquer outro aditivo.
“Apuramos que não há qualquer adição de produtos nos combustíveis vendidos em Botucatu. Eles são de qualidade, mas não podemos afirmar a mesma situação em termos de documentos que foram periciados pela nossa equipe e estamos encaminhando o que parece ser fraude documental para que seja avaliado pela Receita Federal e também a Secretária da Fazenda”. Franco não adiantou detalhes sobre eventuais fraudes.

CIVIL E CRIMINAL

Com base nas mais de duas mil páginas de documentação e empresários ouvidos, o delegado diz que seu relatório final que está sendo feito será apontado dois encaminhamentos processuais, dirigidos na esfera criminal por pratica de cartel e outro na civil, como o caso das possíveis fraudes encontradas em documentos e alinhamentos de preços injustificáveis.
“Isso pode levar a empresa a ser multada ou lacrada pela ANP. Em relação ao alinhamento de preços, isso em si não é crime, mas deverá ser analisado pelo órgão competente, que poderá multar os estabelecimentos”.

(Com Jornal Leia Noticias e Radio Clube FM)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.