O jornalista, radialista e produtor de Rádio e TV, Rivaldo Corulli, faleceu aos 62 anos, na noite de sexta-feira, 19, e foi sepultado neste sábado, no Cemitério Portal das Cruzes, em Botucatu. Ele nasceu em Pardinho e era Cidadão Emérito de Botucatu. Rivaldo estava internado há alguns dias. Uma de suas marcas registradas era se dirigir aos amigos e amigas com “I love you! Te amo!”, na chegada e despedida do encontro. O prefeito Mário Pardini lamentou o falecimento em seu perfil na rede social.
Rivaldo Corulli, também conhecido como “Maninho” era talentoso cantando e compondo musicas. Ele se apresentava em um programa de auditório na F8 (Radio Emissora), “Reino da Gurizada” e era amado pelas meninas da época. Contava que não podia andar sozinho naqueles tempos, pois os meninos brigavam com ele na rua, por conta do ‘estrelato’ com as meninas-fãs.
Entre as canções que fez, Rivaldo sempre citava uma que chamou a atenção, nos anos 1970, do cantor Ronnie Von e falava sobre a guerra do Vietnã. O cantor queria comprar a letra e Rivaldo foi assessorado na negociação, em uma das primeiras ações que Plinio Paganini, (diretor-sócio-proprietário da então “Radio F8”), fazia após se formar em Direito.
Rivaldo Corulli trabalhou em rádios da Capital e canais de televisão como a Globo, onde atuou na produção do Som Brasil, um dos primeiros programas de música sertaneja e regional do Brasil e também na primeira fase da produção conjunta da Rede Globo-Fiesp/TV Cultura, do Telecurso, no inicio dos anos 1980.
Atuou como cinegrafista de produtoras nacionais. Seu ultimo trabalho no cinema foi em Botucatu com o cineasta Reinaldo Volpato, no “Estranhas Cotoveladas”, rodado ainda em Pardinho e São José do Rio Preto. Segundo Volpato, Rivaldo era “Produtor de tudo”.
Passou pela Band e Rede Cultura, onde ficou mais de dez anos, produzindo e depois dirigindo o Viola Minha Viola, com Inezita Barroso, Ele também foi produtor de um programa da Cultura e Secretaria do Interior, onde eram feitos documentários sobre municípios e divulgados na TV pública.
Nos últimos anos ele estava vivendo em Botucatu, no comando do Bar Caipira, fundado pelos irmãos e pai Renato Corulli, na Vila dos Médicos. O Bar reunia clientes que se tornaram amigos e ‘personalidades’ da cidade em um ambiente simples, com jeitão ‘conceitual de butecão’.”

 

Rivaldo Corulli em uma rara imagem. na comemoração dos 27 anos do Viola Minha Viola

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.